Os índios viveram junto com os dinossauros?

Você gosta de Steven Spielberg? Talvez já tenha visto E.T., Inteligência Artificial ou Jurassic Park. Por falar nisso, você já se imaginou naquele parque de dinossauros? Será que os dinos e pessoas chegaram a co-existir? Essa é a pergunta que a Tatiana deixou no site para a gente: “os índios viviam junto com os dinossauros?”

Bernardo Gontijo, que é biólogo, geólogo e professor do Instituto de Geo-Ciências da UFMG tem algo a dizer sobre a pergunta da Tatiana. Segundo ele, esta pergunta traz em si um aspecto super importante quando se estuda os seres vivos — o componente “tempo”. Desde que surgiu no planeta, a vida demorou cerca de três bilhões e meio de anos para chegar ao ponto em que estamos hoje.  Isso porque as espécies, explica o professor, seguem um ciclo de vida, tal como nós: elas nascem, vivem e morrem. E isso também aconteceu aos dinossauros. Bernardo dá mais detalhes:

“Os dinossauros, assim os répteis, viveram numa etapa da história da vida na Terra conhecida como Era Mesozóica, ou seja, em torno de 150 e 60 milhões atrás. Não se sabe ao certo porque eles se extinguiram, mas o fato é que deixaram lugar para que outras formas de vida se espalhassem e se diferenciassem mais, o que acabou acontecendo com os mamíferos.

Os mamíferos se adaptaram muito bem ao novo ambiente, o que fez com que diversas formas diferentes fossem ocupando quase todo o planeta. Muuuuito tempo depois, ou seja, há cerca de dois milhões de anos atrás, os cientistas sabem que um grupo de seres mamíferos chamados de hominídeos  viveram na face da Terra.  Desses hominídeos, derivou a espécie humana, e isto há “apenas” cerca de duzentos mil anos atrás!

Pela diferença de tempo – de 60 milhões para 200 mil anos – fica evidente que seria impossível os dinossauros conviverem com qualquer indivíduo da espécie humana, seja ele índio, não índio ou o que for.”

Parece bem pouco provável que tenha sobrado algum dinossauro para conviver com os índios que vieram ao mundo depois deles, não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *